Política

Prefeito de Cabedelo diz que município não recebeu nem um terço do necessário para pagar piso da enfermagem

O prefeito de Cabedelo, Vitor Hugo (União Brasil), é mais um gestor paraibano a reclamar dos recursos enviados pelo Ministério da Saúde para o pagamento do piso da enfermagem. Ao jornalista Clilson Júnior, apresentador do programa Arapuan Verdade, da Arapuan FM, o prefeito falou que Cabedelo não recebeu nem um terço do valor necessário.

Como visto pelo ClickPB, o Ministério da Saúde enviou para Cabedelo R$ 480.906,00. O valor corresponde a quatro meses (maio, junho, julho e agosto) de recursos para o piso.

“O prefeito de Cabedelo, Vitor Hugo, me disse que o recurso que Cabedelo recebeu não paga nem um terço do que é preciso para o piso da enfermagem”, afirmou Clilson Júnior, como notado pelo ClickPB.

Situação na Paraíba

Na Paraíba, o ClickPB verificou que foram enviados R$ 75 milhões, sendo R$ 11.049.288,00 para o Estado e o restante, R$ 63.950.712,00, foram destinados a 220 municípios. 

Os recursos foram depositados na noite dessa segunda-feira (21) e vão estar nas contas das prefeituras nesta quarta-feira (23). Os valores são referentes aos meses de maio, junho, julho e agosto.

“O pagamento é referente à quatro parcelas – maio, junho, julho e agosto – transferido fundo a fundo aos gestores estaduais e municipais. Ao todo, são nove etapas em 2023, incluindo o 13º salário. Com a ordem de pagamento expedida nesta segunda, a previsão é que até quarta-feira (23) todos os entes recebam o recurso”, informou o Ministério da Saúde ao ClickPB.

Com relação aos valores, gestores de João Pessoa, Campina Grande e a Federação das Associações dos Municípios da Paraíba (Famup) reclamaram ao ClickPB alegando que os recursos são poucos e não contemplam o pagamento integral do piso.

Em nota ao ClickPB, a Secretaria de Saúde de Campina Grande falou que o Município vai receber R$ 8 milhões a menos do que o necessário para cumprir com o piso. 

“O Município ainda não recebeu o recurso, mas o valor é infinitamente menor do que o previsto na portaria inicial. Inicialmente, o valor seria de R$ 4,6 milhões por mês e a portaria seguinte prevê R$ 10,9 milhões, mas esse valor corresponde aos quatro meses retroativos (maio, junho, julho e agosto). Ou seja, tem uma diferença significativa. Por essa nova portaria, o valor mensal vai para R$ 2,7 milhões, um déficit de quase R$ 2 milhões por mês e de quase R$ 8 milhões, somando os quatro meses. O interesse da Prefeitura de Campina Grande é pagar o piso, inclusive para os enfermeiros contratados, mas o recurso do Ministério da Saúde é muito abaixo do necessário”.

No programa Arapuan Verdade, da Arapuan FM, o jornalista Clilson Júnior afirmou que a secretária de Saúde da Capital, também contestou os valores.

“Eu falei com Bruno Cunha Lima ele disse que é insuficiente e não era o que esperava. A secretária de Saúde Janine confirma que o que veio está abaixo da expectativa e não era o número que esperava do Ministério da Saúde”, afirmou Clilson Júnior.

Ainda ao ClickPB, o presidente da Famup, George Coelho, contou que a reclamação também é de outros prefeitos e disse que os gestores querem pagar o piso, mas precisam que o Ministério da Saúde envie recursos necessários.

“Até o momento não foi visualizado nenhum valor. São valores das quatro parcelas, de maio até agora. Vemos com alegria e ao mesmo tempo com tristeza porque esse dinheiro não dá para pagar na integralidade os valores do piso. Os prefeitos e prefeitas querem pagar, mas dentro de sua condição. Precisamos de uma fonte de receita para definitivamente termos esses valores, que é a PEC 22, onde os recursos são suficientes porque são do Tesouro Nacional, com todo o valor na integralidade [para pagamento do piso]”, contou George Coelho, como acompanhado pelo ClickPB.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.