GeralNewsParaíba

Padre Egídio deu golpe de R$ 500 mil em idosa: ‘Doei aos pobres’

Na decisão que autorizou a prisão do Padre Egídio Carvalho Neto, o desembargado Ricardo Vital de Almeida, do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), levou em consideração indícios e provas de crimes que teriam sido cometidos pelo sacerdote. Entre eles, um golpe de R$ 500 mil contra uma pessoa idosa que está sendo apurado pelos investigadores do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco). A vítima foi induzida pelo então diretor do Hospital Padre Zé a fazer doações à unidade da saúde.

Ela contou tudo em detalhes ao Ministério Público da Paraíba no mês passado. Na conversa, que o Portal MaisPB teve acesso, com exclusividade, a mulher, que não terá o nome revelado pela reportagem, disse que a intenção era ajudar os pobres.

“O mundo virou. Mas, na minha época, um absurdo desse eu nunca tinha assistido. Eu disse a ele [Egídio], [o dinheiro] é para os meus pobres. Quando surgiu o boato, eu disse, eita(sic), nem pobre, nem eu (risos). Agora, o que vou fazer? Ficar louca? Não posso fazer mais nada. Eu disse, Jesus eu entreguei a ele, pensando que era um ministro de Deus, que eu tinha entregado aos pobres. Agora, de apartamento e cobertura não quero nem saber”, desabafou.

A mulher justificou ao MP ter feito a doação por considerar não precisar “de tanto dinheiro guardado”. Por isso, achou melhor ajudar a quem aos necessitados. “A gente que é religioso (sic) é para ter pouco dinheiro e não muito. Aí, eu disse, padre me ajude a chegar em Dom Delson que eu tenho uma contribuição para dar à igreja. Agora, me ajude, porque eu acho que não chego a Dom Delson. Me ajude a chegar”, detalhou.

A depoente, então, diz que ouviu do Padre Egídio. “Você é membro do Padre Zé e vai deixar o dinheiro para o hospital”. Ela acatou a sugestão. “O Hospital Padre Zé é dos pobres. Eu vou dar para os pobres”, decidiu.

O Gaeco investiga se dinheiro, realizado via depósito pix de R$ 100 mil , chegou ao destino. Questionada sobre a  transferência, ela afirmou que não sabia “nem o que é pix”. O comprovante abaixo, que consta nas investigações, mostra a transferência.

Fonte: Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado

Prisão do Padre Egídio 

Egídio de Carvalho Neto, o Padre Egídio, foi preso na últimas sexta-feira (17), durante a segunda fase da Operação Indignus. Ele é suspeito de desviar cerca de R$ 140 milhões do Hospital Padre Zé, unidade que presidiu por mais de dez anos.

Ao Portal MaisPB, a defesa de Egídio informou estar buscando as medidas necessárias para recorrer da prisão preventiva, decretada pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida.

Para o Ministério Público, há provas e indícios de diversos crimes contra o padre, como a compra de imóveis de luxo na Paraíba, Pernambuco e Ceará, além de usar os recursos do hospital para pagar os custos de seus carros e as mensalidade do curso de medicina em São Paulo de um sobrinho.

MaisPB

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.